Defesa Civil fez 360 atendimentos de janeiro a maio; 117 foram vistorias em imóveis

 

Monitoramento em áreas de alagamento e monitoramento em áreas de risco foram as outras ações que concentraram as ações da Defesa Civil de Rio Claro nos cinco primeiros meses do ano.

Vistoria em imóveis para verificar possíveis danos estruturais foi a principal demanda da Defesa Civil de Rio Claro nos primeiros cinco meses deste ano. Dos 360 atendimentos e ações de rotina realizados pelo departamento de janeiro a maio, 117 foram vistorias em imóveis.

As outras ações que mais mobilizaram a Defesa Civil rio-clarense nesse período foram monitoramento em áreas de alagamento (80 atendimentos) e monitoramento em área de risco (46). Somente as três atividades mais frequentes responderam por 67,5% de todo o trabalho realizado até o momento neste ano pela entidade, vinculada à prefeitura por meio da Secretaria de Segurança, Defesa Civil e Mobilidade Urbana.

“No caso de monitoramento em áreas de alagamento o que chama a atenção é que em maio houve mais mobilização da Defesa Civil do que em fevereiro, março e abril somados”, comenta o diretor da Defesa Civil de Rio Claro Wagner Martins Araújo, lembrando que os três primeiros meses do ano geralmente representam o período de chuvas mais fortes. Em janeiro deste ano foram 33 atendimentos do tipo, em fevereiro quatro, em março oito, em abril nove e em maio 26.

Queda de fios (cinco atendimentos), incêndios (oito), ocorrência com árvores (21), orientação ao público (18) e queda de poste (um) foram algumas das outras ações realizadas pela Defesa Civil de Rio Claro nesses cinco primeiros meses.

Segundo o secretário municipal de Segurança, Defesa Civil e Mobilidade Urbana, Marco Antonio Bellagamba, o foco da Defesa Civil de Rio Claro é a prevenção. “Para isso, a Defesa Civil está desenvolvendo trabalho articulado com outros setores da prefeitura e da sociedade”, explica, observando que o objetivo é que o município tenha mais capacidade de resiliência, ou seja, de superar situações adversas como deslizamentos, alagamentos e outros desastres do tipo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *